Atascaburras, receita de La Mancha

Ou melhor, “AtaJcaburras” com “J” de la mancha, que é como o escucharéis no planalto sul. Esta entrada vem perfeito para o dia de hoje, porque entre as tradições manchegas está a preparar em casa atascaburras o dia em que caem as primeiras neves do inverno. No ano louco, com um inverno sem chuva e uma primavera que começa com flocos sua preparação foi bastante demorado.

Seu nome, diz a história, que se deve a que este prato é tão grato no estômago, que tem a capacidade de “satisfazer até às burras”, geralmente é de um alto teor calórico, mas, como todas as receitas, podem-se avaliar as quantidades para fazer um atascaburras equilibrado, e, além disso, uma avaliação nutricional muito interessante.

E nesta fria manhã, quando o meu Albacete nevado, e eu, à distância, me vão permitir a ousadia de convidar uma pessoa para explica-os a receita do atascaburras, trata-se do gañán manchego. Se você quiser ver receitas normais estão na internet, se você acha que aqui vai ter receitas normais, a trouxestes clara…
Para fazê-lo, sem excessos e e charos algumas risadas: começo com a receita gañana do Atascaburras. Deixo-vos o link para o dicionário manchego por se vos vedes perdidiços, não vos atoreis.
[Nota: o Alto conteúdo de humor manchego, pessoas sosaina pode encontrá-lo absurdo, eu recomendo uma dose de Monty Python na veia, seguida da leitura de “Amanhece que não é pouco”]

RECEITA GAÑANA DO ATASCABURRAS:
Yaaajaa! Yaaajaaaa! YAAAAAAJAJAAAAA!!
Que tal muchachada como andais? O que marcha me levas?

Como já disse o achuchante do autor do bloj este, blog, ou como se diz, eu via’ ensinar uma receita típica da nossa terra, é uma receita bastante simples, o que não leva muito abaleo, até os que são mais zorripas sereis capazes de prepará-la, comê-la bem e quedáos abotargaos’. Assim, não vos alampéis, e atended primeiro os ingredientes:

Haverá que dar por alma o seguinte:

Os que somos sábios de verdade, arquitetos’, usamos neve derretida em vez de água, para que a receita saia buenimmma.

Agora que dizeis… vendo-a assim, com calma, eu estive pensando, que essa receita é um pouco foda, o cara é um ñaclo, um secuzo que lhe foi quitao’ a toa’ da substância. Na piscina você echábamos a isso, o óleo e os ovos como se não houvesse amanhã, 4 ovos por pessoa, por menos… Se não quereis que vos fique recochura por ter-vos comíos esta miséria de releje no prato pedíos então um categorias: com vinho da terra, mas não muito, para que não vos entre rescoldina. De sobremesa cerca de miguelitos (de creme, nem sos’ aconteça de chocolate).

A receita é preparada proposição’:
Arrimaos tosse’ os utensílios de cozinha em primeiro lugar.
Na mais’ começar preparais a cozer as batatas em água com sal (ou neve se tenís’).
E em outra panela ao lao’ colocar o bacalhau para ferver. Podís “aproveitar a cozer agora o ovo cozido de galinha linda e aproveitar o calor’ o que deixais o orete então.

Deixai-vos estar a sopesquete, porque o bacalhau é cozido antes que as pataticas, não vos meeis fora, que não vos aconteça. Quando estiver tenro, o bacalhau, o apartáis, e guardardes o caldico, que, em seguida, nos servirá para regular a espessura, se sois uns moles e alguns “kitsch”, você pode coar a espuma do caldo.

Enquanto cozem-se as batatas e o bacalhau, o colocamos em uma sarten o aceitico com os alhos, para dorarlos um pouco e que lhe dão sabor ao prato. Não estejam zurracatranes e queimadores de alho que, em seguida, amarga como o demônio.

Agora, os alhos e o azeite, os lançardes um almofariz dos bons, onde, pouco a pouco, vai-se adicionando a arbundante’ batata, para esmagar e misturar tudo, é importante acrescentar pouco a pouco, a patatica bem suave, para que o casamento, a massa, seja o que deve. Iremos esmagando com argamassa a massa, até que fique como na estampica esta de lao’
Vá pinta! Não te digo nada, e digo-to’

Se vos está ficando cementosa, ou aguachirri, não tenhais conduerma, já apareceu o pente! você pode adicionar o caldo ou mais batata para aviarlo.
Fique a sopesquete, para testar a massa, pouco a pouco, como não temos añadío’ sal, se vedes que vos resta regomello ao experimentá-lo sumadle uma curta.

Uma vez que a polpa, espizcan o bacalhau em plano de migalhas, como se fosse neve, e misture bem. Para terminar, añadís as nozes já no prato ou cacuela juntamente com os ovos cozidos (não aceitação somarros, e remover a casca, o sinacos!).

Pode-Se tomar quente ou frio, o mesmo se dá, da mesma forma, vão abarrer’ o prato.

Que vos seja rico este prato invenal, que com a viruja que está fazendo, é possível que você tenha que preparar várias vezes na temporada, e lembrem-se: “Até quarenta de maio não se remova a túnica, e se você Albacete até quarenta e sete”.

A jartarse! O Arrebuíyava!

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL:
Após este delimitado episódio mudança rápida, valorizo nutricionalmente este prato.
Como diz o gañán, normalmente esta receita é abundante porque se preparava com muito óleo, ou muitos ovos. Perfeitamente se podem regular as quantidades para equilibrarlo e deixá-lo como um prato único e muito interessante.

Se você seguir as quantidades indicadas nos fica um prato muito completo, com um aporte próximo a 600 kcal, 700Kcal se usamos mais óleo na regulação da massa.

Terá predominios de hidratos de carbono, porque o eixo da receita é o amido da batata, acompanhado de proteína de alto valor biológico (ovo e bacalhau) e um perfil lipídico interessante (com predominância de ácidos graxos insaturados no óleo de oliva, nozes, ovos e peixes).

Por encontrá-lo algum, mas podemos dizer que é um prato pobre em fibras e limitado, entre outras, em vitamina C, um bom complemento poderia ser como sobremesa, frutas, e/ou acompanhar com uma salada leve.

Se você gostou compartilhe e divulgue!

Share this Story

Related Posts

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Arquivos

Categorias